Visualizações 1.303

APH DE COMBATE – CUIDADO TÁTICO EM CAMPO

A situação hostil em que você se encontra pode mudar em um instante; portanto, não se iluda pensando que está fora de perigo quando seu time alcançou a superioridade de fogo ou as armas dos bandidos ficaram em silêncio.


Por isso tenha cuidado.
Antes de começar a cuidar de sua (s) vítima (s), verifique se seu local é seguro.

Mantenha um perímetro de segurança de 360 graus. Em seguida, comece a triagem das vítimas, conforme necessário.

Qual o Próximo Estágio?

O próximo estágio do tratamento de vítimas de combate que o COTCCC (Committee on Tactical Combat Casualty Core) desenvolveu são apresentados aqui.


Neste próximo estágio de tratamento de combate, considere usar luvas de látex – antes e durante o tiroteio, não havia tempo ou oportunidade para se preocupar em minimizar o risco de infecção; mas, agora, definitivamente existe.


Além disso, se você acha que a situação está ruim porque o seu colega não está bem (talvez por causa de uma hemorragia maciça e não óbvia), você deve ouvir seus “sentidos” e pedir um MEDEVAC / CASEVAC* o mais rápido possível.
E, faça o que fizer, não se apegue a esse manifesto de tratamento de trauma como a sua Bíblia – se você acha que seu paciente precisa, por exemplo, de um polegar pericárdico, bem, faça-o.
Faça tudo ao seu alcance para ajudá-lo e dentro do que você sabe.

A evacuação de vítimas, também conhecida como CASEVAC ou pelo indicativo Dustoff ou coloquialmente Dust Off, é um termo militar para a evacuação de vítimas de emergência de uma zona de combate por pacientes de emergência. Casevac pode ser feito tanto por terra quanto por ar. O atendimento tático em campo começa com a redistribuição de recursos (se isso ainda não aconteceu durante o estágio Core Under Fire).

Por exemplo, digamos que nosso colega esteja carregando itens de missão sensíveis.

Coisas como um sistema de comunicação portátil.
Os itens sensíveis da missão precisam ser colocados em boas mãos para que a vítima cujo estado mental possa ser confundido como resultado de uma lesão não faça algo estúpido, como chamar um ataque aéreo contra nós (ou algo igualmente desmotivador para a nossa equipe).


Da mesma forma, nós realmente não queremos que ele segure sua arma e granadas depois de administrá-lo com analgésicos que o deixarão “chapado”.


Além disso, as armas e granadas tiradas dele podem ser dadas aos outros companheiros que estejam fazendo a segurança para que eles tenham mais munição disponível para defender o perímetro.

Para Você Pensar

Em vez de tirar a arma de seu colega, você pode deixá-la com ele depois de remover o carregador e limpar a câmara.

Deixá-lo segurar a arma, mesmo que vazia pode ser psicologicamente útil.
Especificamente, isso pode lhe dar esperança, o que é uma coisa poderosa. Afinal, nossa vítima ainda é um guerreiro e ele quer nos ajudar.

Ele não quer sentir que é um passivo ou expor a equipe ao perigo por causa de seus ferimentos.


E se você encontrar uma vítima que sofra politrauma? Isso, em português simples, significa que nosso colega está realmente ferrado – não tem pulso, respiração ou outros sinais vitais.

A ele não ressuscitamos. A ele não tentamos fazer RCP.

ALGORÍTMO MARCH PAWS

O motivo é que não teremos sucesso em salvá-lo, e o esforço para fazê-lo levará muitas pessoas para longe do combate (o que pode resultar em muito mais baixas). Mas o outro lado é que você precisa ser Semper flexível.


Portanto, se você estiver em uma plataforma de evacuação, vá em frente e faça RCP (desde que você tenha a capacidade.
Nessa situação, fazer RCP é adequado porque você deve fazer tudo ao seu alcance para tentar salvá-lo.

O verdadeiro trabalho do campo tático começa com uma avaliação.

Para esta tarefa, usamos o algoritmo MARCH PAWS.

MARCH significa:
M – Massive bleeding (Sangramento maciço)
A-Airway Management (Gerenciamento das vias aéreas)
R- Respiration (Respiração)
C- Circulation (Circulação)
H – Head injury/Hypothermia/Hypovolemia (Lesão ma cabeça/Hipotermia/ Hipovolemia)


PAWS siginifica:
P – Pain (Dor)
A- Antibiotics (Antibióticos)
W -Wounds (Feridas)
S- Splints (Talas)
É aqui que tudo tudo acontece.

MASSIVE BLEEDING

Ao retomar o ponto em que parou durante o cuidado sob fogo, faça uma reavaliação de quão bem você controlou qualquer hemorragia.


Verifique se o torniquete ainda está em espera ou se ele precisa de outro (se for necessário outro, aplique-o lado a lado com primeiro; homens magros geralmente precisam de dois T q’s).

Com a chance de você ainda não ter feito nada, procure sinais de sangramento maciço. Quando vir esses sinais, aplique um torniquete, posicionando-o alto e apertado.

Se você não pode controlar o sangramento com um Torniquete, use um agente hemostático.

Veja a matéria sobre a bandagem QuikClot e como você pode realizar o controle de hemorragia.

 

Examine a vítima novamente e procure por sangramentos graves perdidos em áreas especialmente críticas, como pescoço, axilas e virilha.

Não se esqueça de continuar conversando com a vítima durante todo o processo.
É assim que você avalia o grau de consciência dele.


Além disso, ele falando com você significa que suas vias aéreas estão abertas – e se ele está fazendo sentido enquanto fala, significa que seu cérebro está recebendo sangue/oxigênio adequado (uma boa indicação de que ele não está sofrendo um choque hemorrágico no momento).

Grau de consciência -AVPU

– A-Alert(Alerta): conscientização de tempo e lugar
– V-Verbal: responde às suas palavras
– P -Pain (Dor): reage a ele
– U -Unreponsiveness (Não resposta): nenhuma reação a estímulos

Como mencionado anteriormente, você precisa desarmar seu parceiro cuja lesão levou a entrar em um estado mental alterado (como enlouquecer com ilusão ou psicose), redistribuir seus itens sensíveis e liberá-lo do rádio para evitar prejudicar outras pessoas em sua equipe.

GERENCIAMENTO DE VIA AÉREA

Suponha que você tenha uma vítima que não está falando. Nesse caso, abra as vias aéreas, olhe dentro da boca, limpe-a e ouça som da respiração.

Além disso, enquanto estiver ouvindo, sinta o peito dele e observe se o mesmo sobe e desce (sinais de inspiração e expiração). Permaneça na respiração dele por pelo menos 5 a 1 O segundos (em outras palavras, não execute a broca roboticamente).

Caso a vítima esteja inconsciente, você precisará protegeras vias aéreas.

Normalmente, isso é feito inclinando a cabeça para trás e mantendo o queixo levantado (essa posição mantém as vias aéreas abertas).


Como alternativa, você pode usar uma posição de recuperação ou aplicar a ele um cânula nasofaríngea (se você optar por uma cânula, não se esqueça de prendê-la no rosto dele, caso contrário, ele provavelmente irá se soltar).

Há chance de cutucar seu cérebro com essa cânula se a cabeça dele se abrir, já que é muito pior para ele ficar sem uma via aérea latente).


Digamos que nosso colega esteja acordado e não possa respirar.

O que você deve fazer é permitir que ele tome qualquer posição que o ajude a respirar.


Por exemplo, uma vítima com trauma facial e sangramento na boca ou no nariz pode ser mais capaz de manter as vias aéreas sentando-se e inclinando-se para a frente -evite forçá-lo a se deitar, pois isso só fará com que todo o sangue e saliva se acumulem nas vias aéreas.

Vitima Inconciente Com Obstrução das vias Aéreas.

  • Inclinação da cabeça, elevação do queixo
  • Uso de Cânula Nasofarîngea
  • Posição de recuperação

VÍTIMA COM OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS

  • Inclinação da cabeça, elevação do queixo
  • Uso de Cânula nasofarîngea
  • Permita que a vítima tome qualquer posição que o ajude a respirar
  • Posição de recuperação

RESPIRAÇÃO

Exponha o peito, procure feridas e indícios de que seu colega ainda está respirando (observe que o estresse pode impedi-lo de ouvi-lo ou vê-lo inspirando/expirando; portanto, coloque as mãos no peito dele e sinta sinais de que a respiração está ocorrendo).


Aplique um curativo oclusivo em todas as feridas que encontrar no peito, axilas e pescoço.

Ao colocar o curativo oclusivo, ouço qualquer som de sucção ou sopro.

Se você não colocar uma válvula no meio do buraco.
Verifique cuidadosamente se há clavícula, esterno e costelas quebrados, mas não pressione como um maníaco se houver descoloração ou evidência de hematomas nessas áreas.

Verifique as costas dele usando a técnica de “abraço de amigo” – e enquanto estiver nisso, você também deve fazer uma verificação menor quanto a ferimentos negativos.


Esteja atento a um pneumotórax hipertensivo, se o seu coelga tem uma ferida abdominal ou peito.
Lembre-se da regra de ouro: o diafragma tende a se mover bastante baixo.
Portanto, pense na possibilidade de realizar uma descompressão no peito com a agulha em resposta a uma ferida no peito (ou até mesmo a suspeita de uma ferida no peito) onde houver dificuldade respiratória progressiva.

CIRCULAÇÃO

Como no início do nosso algoritmo MARCH PAWS, é vital verificar duas vezes suas intervenções  sob fogo e garantir que elas ainda estejam funcionando.

Se necessário, exponha a ferida e coloque um torniquete adaptado três dedos acima dele (remova o torniquete assim que determinar que não há mais necessidade e, em seu lugar, aplique uma bandagem de compressão).


Faça uma varredura de sangue da cabeça aos pés com mãos limpas (fazê-lo com mãos ensanguentadas pode dar um falso positivo).

Se sua varredura com mãos limpas produzir sangue nos dedos ou nas palmas das mãos, você saberá identificar o local da ferida, expô-la, avaliá-la e tomar as ações apropriadas (como aplicar gaze, esponja, bandagem de compressão, torniquete, etc.) )
Nenhuma ação imediata é necessária caso a ferida envolva sangramento venoso menor.
Sinta se o pulso dele é forte ou fraco.


Talvez você não consiga encontrar um pulso radial – nenhum pulso radial significa que o corpo dele não está descompensando muito bem o choque (a primeira coisa a fazer nesse caso é procurar um pulso na artéria carótida para garantir que ele ainda esteja vivo) .
Em seguida, avalie a circulação periférica observando a temperatura da pele e a presença de suor.

Uma suspeita de pélvis quebrada deve ser estabilizada com uma tala.

Prepare todo o equipamento necessário, incluindo curativos oclusivos adicionais, bandagens, ninhadas e cobertores térmicos.

Posicione-o de lado e comece a tratar os ferimentos negativos com um curativo oclusivo (remova primeiro a roupa da parte superior do corpo).

GIRE A VÍTIMA DE COSTAS E REAVALIE:

  • Grau de consciência
  • Vias aéreas, respiração, circulação
  • Intervenções
  • ONPA caiu?
  • O CAT foi desfeito?
  • As ataduras do peito ainda estão segurando?
  • O NCD está a 1/4 de volta e ainda está funcionando?
  • Cartão TCCC devidamente preenchido

Usando um marcador à prova d’água, escreva no cartão do torniquete a hora do que você aplicou o torniquete.
Observe também no cartão se você removeu um torniquete não mais necessário e o substituiu por um curativo de compressão.

LESÃO NA CABEÇA / HIPOTERMIA / HIPOVOLEMIA

Manter a temperatura corporal de uma vítima é extremamente importante, porque você não deseja que a hipotermia se instale.

A primeira coisa a fazer é minimizar o contato com roupas molhadas e vista-o com roupas secas.

Coloque-o na maca e envolva-o em um cobertor térmico (se você não tiver um cobertor térmico, improvise com o que puder colocar em suas mãos).

Lesões na cabeça com bandagem nas lesões que parecem ser menores.

Para os graves (como os que envolvem lesão cerebral traumática), não o deixe deitar e, se disponível, forneça oxigênio.

O tratamento de lesões cerebrais traumáticas (TCE) requer o envolvimento de um médico; portanto, leve sua vítima ao médico o mais rápido possível.

Os sinais de TCE incluem um estado mental alterado, pupilas dilatadas, líquido amarelo vazando do nariz ou orelhas, deformação da cabeça e hematomas ao redor dos olhos.

No mínimo, você deve obter os sinais vitais da vítima e saber se ele está em choque (hipovolemia).
Em seguida, esteja pronto para iniciar uma IV / 10 para que a fluidoterapia possa ser administrada (a hipovolemia é o resultado de uma súbita perda de líquidos, como sangue).


Você também precisará conhecer o POP da sua unidade para tratar choque hemorrágico, TXA e infundir sangue total.

 

SPLINTS (TALAS)

Estas são as TALAS. Imobilize a fratura e reavalie o pulso.
Se o seu homem estiver com uma fratura ou luxação, mas sem pulso, tente endireitar os ossos afetados e reavalie os sinais de pulso.

Faça essas coisas com cuidado e demonstre boas maneiras ao lado da cama (lembre-se da Regra de Ouro: faça aos outros como gostaria que eles fizessem a você).


Pense nas etapas que você seguirá antes de começar; não basta entrar sem um roteiro em mente.

Prepare todo o equipamento necessário.
E se você encontrou sua vítima usando uma tala que ele aplicou por conta própria, basta – não tente consertar o que já está “consertado” -, mas verifique o pulso de qualquer maneira.


Não se esqueça de usar sua capacidade de comunicação para entrar em contato com o comando tático e obter ajuda do pessoal no próximo nível de atendimento (eles têm cérebros maiores do que você e eu, e é uma boa ideia usá-los, sabendo ou não o que estamos fazendo). Além disso, lembre-se sempre de conversar com a vítima – explique o que você está fazendo, ofereça-lhe palavras de encorajamento e assim por diante.

 

 

Use seu tempo com sabedoria enquanto aguarda a chegada da equipe Medevac.
Por exemplo, prenda os objetos pessoais ou o equipamento da vítima à sua ninhada, para que o rotor saia do helicóptero quando aterrissar, para que nada se solte e coloque óculos, proteção para os ouvidos na vítima.

Além disso, preencha o cartão TCCC do seu cara completamente (isso facilitará a transferência).
Mais uma coisa sobre o Medevac. Quando chegar, obedeça ao cara a bordo.

REGRAS DE ENGAJAMENTO

Honre as Regras de Engajamento sempre que for solicitado a prestar assistência a um agente.

Basicamente, você precisa fornecer a um inimigo capturado a mesma qualidade de atendimento que você dá a seus próprios colegas de equipe.

E isso inclui a evacuação, se necessário.
Mesmo assim, exercite a segurança primeiro! Esse agente ainda é exatamente isso – um agente – e, como tal, representa um perigo para você e sua equipe.
Imobilize-o e garanta sua segurança antes de tentar executar o protocolo MARCH PAWS.

Agora que terminamos nossa análise do algoritmo MARCH, é hora de iniciarmos uma discussão sobre o PAWS

Uma suspeita de pélvis quebrada deve ser estabilizada com uma tala.

PAIN (DOR)

Isso é auto-explicativo. 


Você precisa fornecer as intervenções necessárias (como a imobilização para impedir ou limitar os ossos de triturar músculos, nervos e uns contra os outros), além de medicamentos para controlar e gerenciar o dano físico que seu colega está sofrendo.

ANTIBIOTICS

Dê oralmente à sua vítima o seu pacote de comprimidos de combate (assumindo que ele é capaz de engolir).
Essas pílulas não só ajudarão a resolver ou prevenir infecções com risco de vida, mas também ajudarão a reduzir sua dor.

WOUNDS ( FERIMENTOS)

Verifique se há FERIDAS adicionais – aquelas que você perdeu anteriormente e as que você viu, mas “salvas”, para serem tratadas mais tarde.

Lesões fáceis de ignorar incluem queimaduras (como as do rosto, que geralmente ocorrem em espaços confinados e tendem a estar conectadas a lesões por inalação das vias aéreas).


Quando encontrar feridas, prepare-se com uma intervenção rápida ou ligue para o médico o mais rápido possível (ou médico, se você não for um deles).

Procure também por fraturas ósseas, lesões oculares, lesões no couro cabeludo e eviscerações (com um aspecto mais assustador do que realmente são, portanto, nesse ínterim, cubra-as da melhor maneira e com a maior suavidade possível).

No caso de um ferimento na cabeça, geralmente é um bom sinal quando sua vítima está gritando ou cutucando como uma banshee. Não é um bom sinal para nós se ele estiver quieto e encurvado em um canto

CONCLUSÃO

Uma vez que seus colegas de equipe alcançam superioridade ao fogo ou as armas do outro lado ficam em silêncio, é hora de mudar do modo Core Under Fire para o modo Tactical Field Core.
Há muita coisa que você pode fazer – e provavelmente precisará absolutamente fazer – neste estágio para impedir que seu amigo sucumba aos ferimentos dele.

E como há muito que você pode fazer, será fácil esquecer de executar algumas ações importantes.
É por isso que existe o algoritmo MARCH PAWS.

É uma das ferramentas mais importantes para levar consigo para a briga.


É claro que contar uma coisa sobre MARCH PAWS é uma coisa. Observá-lo demonstrado é algo completamente diferente.

Fonte: Tccc.Org.ua

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *